quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Fachada principal de cara lavada


A fachada principal da igreja está limpa, seguir-se-á a fachada sobre a Rua da Fé. Obra a cargo da Junta de Freguesia de São José. Obrigado!

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Concerto, amanhã, na Igreja do Menino Deus


A Música Sacra no tempo de D. João V (Compositores de 1711 a 1750)

João Rodrigues Esteves: “Pinguis est Panis”
Johann Sebastian Bach: Ária “Schlummert ein, ihr matten Augen”
G.Ph.Telemann: Cantata “Ihr Völker hört” (Am Feste der heiligen drei Könige)
Johann Sebastian Bach: Sonata em Si bemol Maior, BWV 1021 Adagio/Vivace/Largo/Presto
João Rodrigues Esteves: “Regina Caeli Laetare”

La Nave Va - Ensemble Barroco
Maria Luísa Tavares, Mezzo-Soprano
Armando Possante, Barítono
António Carrilho, Flauta de Bisel
Edoardo Sbaffi, Violoncelo
Jenny Silvestre, Cravo

ENTRADA LIVRE
IGREJA DO MENINO DEUS - LARGO DO MENINO DEUS – LISBOA
Transportes: eléctrico 12, 28 e autocarro 37 (Praça da Figueira)
APOIO: Patriarcado de Lisboa e Congregação de São José de Cluny

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

RUA DE SÃO JOSÉ: entrada de garagem em frente à Igreja de S. José (IIP)


Demolição integral do R/C desta fachada para abertura de uma entrada de garagem de um novo hotel cuja entrada principal se fará pela Av. da Liberdade. Entretanto, e durante os cerca de dois anos que durou a abertura das caves para estacionamento, podia ser observado no local uma mangueira a bombear água do interior do quarteirão para a rua! Ou seja, a Rua de S. José - e neste caso em particular, um edifício em frente de um Imóvel classificado como IIP, a Igreja de S. José e Casa dos Vinte e Quatro - é tratada como mero arruamento de serventia dos imóveis da Av. da Liberdade. É assim que a CML trata um arruamento histórico como a Rua de S. José. E é este o entendimento que a maior parte dos operadores hoteleiros têm deste arruamento e bairro histórico.


Fonte

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Igreja do Menino Deus – Parabéns e Obrigada!


Parabéns aos organizadores e a todos os que se associaram às comemorações dos 300 anos da Igreja do Menino Deus!

Missa do Aniversário e visitas guiadas por especialistas… três dias com a Igreja cheia de visitantes, nacionais e estrangeiros, à descoberta de uma Igreja maravilhosamente restaurada!

Parabéns e Obrigada às Irmãs da Ordem de São José de Cluny pelo entusiasmo, por todo o trabalho que tiveram, pela recepção caloroso e pela oferta, a todos, de Pão de Ló feito no Convento e de um cálice de Porto!

E a festa veio para o Largo com a actuação do Coro do Instituto Superior Técnico que se associou graciosamente às comemorações.

Aqui ficam os votos: que o Menino Deus seja, em tudo, um exemplo para São José!


Ana Alves de Sousa

Será que está na Igreja de São José ...

A pedra tumular de Bernardino António Gomes, falecido a 13 de Janeiro de 1823, médico e botânico (http://dicionario24.info/Bernardino_Ant%C3%B3nio_Gomes)?

terça-feira, 24 de maio de 2011

Novo Plano Director Municipal (PDM) de Lisboa


- Sugestões -


Projecto de Valorização do Percurso Histórico/Turístico São Sebastião - Santa Marta - São José - Portas de Santo Antão


I Divulgar e Reabilitar o Património

Neste percurso histórico existem dezenas de edifícios e conjuntos notáveis (todo o Bairro de São José) que merecem ser conhecidos e reabilitados.

Dado que muitos desses edifícios são propriedade de instituições ou de particulares propõe-se

. Que a CML celebre Protocolos/Acordos com essas instituições ou particulares no sentido dos edifícios e respectivos jardins poderem ser conhecidos e visitados pela população e por turistas ou, se for o caso, devidamente reabilitados.

Apenas a título de exemplo referem-se: os palácios dos CTT (e respectivo jardim) e da EPAL, a Sociedade de Geografia, o Palácio da antiga Manutenção Militar (e jardim) o edifícios da Associação Comercial Portuguesa, o Ateneu Comercial (e jardim) etc., etc.

Em relação a outros edifícios que merecem especial atenção refere-se:
Palácio das Conchas (Rua de Santa Marta); Casa dos 24 (Rua da Fé); Casa onde nasceu Rafael Bordalo Pinheiro (Rua da Fé) e Casa onde nasceu Wenceslau de Moraes (junto ao elevador do Lavra, ver aqui), Cinema Odéon; Marisqueira Solmar, etc., etc.


II Requalificação do Espaço Público
Para que este percurso possa ser fruído por nacionais e estrangeiros em condições de conforto e segurança http://grupoamigosigrejasjose.blogspot.com/2010/12/micro-passeios-das-ruas-sta-marta-e-s.html.

propõe-se:

.Promoção da Acessibilidade e Mobilidade Pedonal

.Que seja estudada a possibilidade de desvio do trânsito de atravessamento bem como soluções alternativas ao estacionamento na rua – nomeadamente para os residentes

Dado que existem na zona diversos parques de estacionamento parcialmente vazios e que encerram à noite, propõe-se:

.Que sejam celebrados Protocolos/Acordos com os proprietários dos Parques estabelecendo condições especiais de estacionamento para os moradores da zona.

Idêntico procedimento deverá ser adoptado em todas as zonas da cidade onde existam parques de estacionamento.


III Revitalizar a Zona – criação de pólo dinamizador
A Reabilitação do património - tal como o ensino dos antigos Ofícios - é uma prioridade nacional. Com a reabilitação surge, na maioria dos casos, a Gentrificação, um fenómeno nem sempre pacífico, designadamente do ponto de vista económico e social.

Pensando nestes temas – Reabilitação / Ofícios / Gentrificação - propõe-se:

.A criação de uma primeira Casa dos Ofícios, um projecto vocacionado para a transmissão e partilha de conhecimentos na área dos ofícios do Património e para o encontro de moradores e comerciantes, novos e antigos, nacionais e estrangeiros, unidos pelo mesmo “desejo de pertença” a um local, a um Bairro.

.Que a antiga Casa dos 24 (Rua da Fé) acolha o projecto da Casa dos Ofícios. Situada no centro da cidade, no Bairro Histórico de São José – actualmente com uma população envelhecida e um comércio em declínio – a Casa dos Ofícios dará um valioso contributo para o processo de reabilitação e revitalização da antiga Casa dos 24 e trará uma nova dinâmica ao Bairro através da fixação de gente nova que virá para aqui viver, trabalhar, partilhar espaços de trabalho e de exposição. Surgirão novos projectos comerciais genuínos e de qualidade em locais criteriosamente reabilitados pela própria população com o apoio da sua Casa dos Ofícios.


2011-05-20

quarta-feira, 18 de maio de 2011

II Jornadas do Patrimonio/Apresentações


Já se encontram disponíveis as Apresentações das II Jornadas do Património da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que decorreram no Auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian, no passado dia 15 de Abril de 2011. Ver aqui.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

II Jornadas do Património – Reabilitação – Tendências e Perspectivas

No Auditório 2 da Fundação C. Gulbenkian - 15 de Abril - 9:00 Horas.
Inscrições gratuitas
Prazo limite para inscrições - 8 de Abril

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Ideias de Origem Portuguesa – Um Projecto da Fundação C. Gulbenkian

A criação da Casa dos Ofícios é uma boa ideia?

Espreitem esta e outras ideias e usem o vosso voto.

Casa pessoa tem direito a 20 créditos e pode dar um máximo de 10 por ideia.

Para votar nas ideias é preciso fazer login.

No canto direito - “Pontuação da Comunidade”- dão-se os créditos.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Inovação e Cultura

A ler e a divulgar! É urgente que os nossos políticos percebam isto!
Artigo de Francisco Jaime Quesado, especialista em Inovação, Estratégia e Competitividade

http://www.ionline.pt/conteudo/108347-a-inovacao-cultural

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Pedido de inclusão na lista de projectos do PIPARU



Exma. Senhora
Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa
Drª Simonetta Luz Afonso

c.c.
Grupos Assembleia
Presidente da Comissão Permanente de Habitação, Reabilitação Urbana e Bairros Municipais
Presidente da Comissão Permanente de Urbanismo
Presidente da Comissão Permanente de Cultura


Considerando que:

1 O Conjunto constituído pela Igreja de São José dos Carpinteiros e “Casa dos 24” é um conjunto classificado desde 1978 como Imóvel de Interesse Público que necessita de obras urgentes, conforme é do conhecimento das entidades responsáveis e dos cidadãos em geral;

2 Este conjunto, para além da sua enorme importância do ponto de vista artístico, constitui um património de inestimável valor simbólico e histórico para a cidade de Lisboa e para Portugal;

3 A Igreja de São José dos Carpinteiros e “Casa dos 24” são desconhecidas da esmagadora maioria da população e a sua abertura é um desejo antigo dos residentes da Freguesia;

4 Este conjunto, devidamente requalificado e adaptado a novos usos, será um importante pólo dinamizador do eixo histórico onde se situa, que foi uma das principais entradas na cidade (até à abertura da Avenida da Liberdade) e que se encontra hoje abandonado, decadente e com uma população carenciada e envelhecida;

Considerando ainda que:

6 No dia 2 de Fevereiro 2010 foi apresentada e aprovada, em sessão de Assembleia Municipal de Lisboa (AML), uma Recomendação alertando para o estado deste conjunto histórico e solicitando a sua reabilitação;

7 No dia 2 de Março de 2010, técnicos da Câmara Municipal de Lisboa (CML) elaboraram um Auto de Vistoria onde é referido o “mau estado de conservação” do conjunto (Auto de Vistoria – parecer nº 25/10);

8 No dia 8 de Março de 2010, membros da Comissão Permanente de Cultura da AML verificaram, in loco, os valores patrimoniais e histórico-culturais que estão em risco de se perder se nada for feito pela sua preservação;

9 No dia 9 de Março de 2010 foi elaborada por técnicos da CML uma informação detalhada que descreve “o avançado estado de degradação de todo o conjunto (Informação INF/16/DCCH/10 de 09.03.2010) e onde é reconhecido como “por demais evidente” o valor patrimonial do mesmo, sendo proposta uma intervenção em 5 fases, cujo valor estimado, apenas para os trabalhos mais urgentes (fases 1 a 3), é de 301.870 Euros;

10 A CML propôs-se financiar apenas 43.390 Euros, valor que corresponde à Fase 1;

11 No dia 27 de Novembro de 2010 foi feita, pelo “Grupo de Amigos”, uma intervenção na Sessão Pública da CML, onde se solicitava, uma vez mais, a atenção da CML para a importância deste património tendo sido entregue, na mesma altura, ao Presidente e Vereadores da CML documento que se anexa;

Um ano passado desde os primeiros alertas do “Grupo de Amigos” sem que, até à data, nada tenha foi feito de concreto,

vimos solicitar a Vossa Excelência, essa Assembleia e respectivas Comissões Permanentes, independentemente de outras acções que a CML venha a tomar relativamente a este património (designadamente a entrega da verba de 43.390 Euros correspondente à Fase 1 dos trabalhos),

que o Conjunto Classificado como Imóvel de Interesse Público constituído pela Igreja de São José dos Carpinteiros e “Casa dos 24” seja incluído na lista de projectos do Programa de Investimento Prioritário em Acções de Reabilitação Urbana (PIPARU) sendo-lhe, desde já, atribuída a verba global estimada pelos técnicos da CML para os trabalhos mais urgentes (fases 1 a 3).

Gratos pela atenção de Vossa Excelência sobre este assunto, subscrevemo-nos com os melhores cumprimentos,

Pelo Grupo de Amigos
Ana Alves de Sousa / Paulo Ferrero / João Pinto Soares



segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Alerta: Um Bairro em Risco!



Na Rua de São José bombeia-se dia e noite a água que aparece nas caves já construídas e nas que ainda estão a ser escavadas!

No Vale: na Rua de São José vários prédios foram (e estão a ser) destruídos para servirem de acesso e garagens aos novos imóveis que foram (e estão a ser) construídos na Avenida da Liberdade.

Na Encosta: na Rua do Passadiço começa agora o mesmo processo de destruição. Estão a ser esventrados diversos prédios (alguns com interiores absolutamente notáveis). Num deles anuncia-se a construção de três pisos de caves.


O que está a acontecer?

Ao licenciar, de forma avulsa, a construção de caves sem analisar as condições específicas do Bairro/zona onde se situam e as consequências futuras da sua construção, a Câmara Municipal de Lisboa está a pôr em risco o Bairro de São José, um Bairro Histórico da cidade!

As inundações constantes e os buracos que surgiram recentemente na Rua da Fé põem a nu o problema!

A impermeabilização de solos em zonas sensíveis da cidade não pode continuar!

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Lisboa tem dos solos mais impermeáveis das capitais europeias

Um relatório da Agência Europeia de Ambiente mostra que a capital portuguesa tem dos solos mais impermeáveis das capitais europeias. Pior do que Lisboa só mesmo as antigas capitais satélites do regime soviético: Bucareste, Tirana e Varsóvia.

Em comparação, Londres (Reino Unido) tem uma área impermeabilizada de 42,5 por cento e Estocolmo (Suécia), a capital melhor colocada no ranking, de 22,90 por cento.

No relatório, a Agência Europeia do Ambiente recorda que o solo é um dos recursos mais importantes do planeta, porque nos proporciona não só serviços fundamentais, como a produção de comida ou o armazenamento de água subterrânea, mas também protecção contra cheias e regulação microclimática, entre outros.
TSF

Mais AQUI.

...

E a Ruas da Fé, Santa Marta e de São José que o digam ...

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Igreja de São José dos Carpinteiros vista por Norberto de Araújo em 1939

«A IGREJA DE S. JOSÉ ENTRE HORTAS»

Eis-nos defronte da Igreja de S. José dos Carpinteiros, que foi a de «S. José entre Hortas», no século XVI. A frontaria sofreu grande dano pelo Terramoto, e a Igreja, de tanta tradição na Lisboa dos artificies de madeira, foi logo restaurada (1757), como se atesta numa das inscrições da fachada. O arquitecto do restauro foi Caetano Tomaz.
Esta pequena Igreja foi fundada pela Confraria dos Carpinteiros em 1545, no tempo do Arcebispo D. Fernando de Vasconcelos e Menezes; logo o sucessor deste prelado, o Cardeal D. Henrique, a fez paroquial (1567), retalhando a área da freguesia de Santa Justa.
Foi reedificada ainda no final do século XVI e por várias vezes ao longo das idades; presentemente (Outubro) está em restauro [1939]. Ali vemos na sobre porta um interessante medalhão escultórico, representando S. José.
Interiormente oferece certo interesse relativo; ostenta bons mármores, alguns embutidos, nos socos das pilastras do arco da Capela Mor, imagens e quadros antigos, entre estes um da Sagrada Família, e dois, bons, nas paredes laterais. No corpo da Igreja há duas únicas capelas, a do Senhor dos Passos e a do Santíssimo, e ainda dois altares: de S. Miguel (imagem antiga), com o Coração de Jesus, e de N. Senhora da Conceição.
São magníficos os azulejos setecentistas que revestem o corpo do pequenino templo, representando passos do Nascimento de Jesus.
O edifício da Igreja, com prédio anexo, de ingresso pela Rua da Fé, nº 57, e no qual está instalada a velha Associação de Socorros Mútuos de António Maria Cardoso, pertence à Irmandade de S. José dos Carpinteiros, que modestamente sobrevive.»

In Peregrinações em Lisboa, Livro XIV, Lisboa, 1993, Edições Vega, páginas 93 e 94
Norberto de Araújo
Primeira edição de 1939

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Curiosidades - Eleições em 1466!

Como eram eleitos para a Câmara Municipal os quatro procuradores dos mesteres da cidade de Lisboa:


«No dia determinado reuniam-se os 24 procuradores dos mesteres no Hospital de Todos os Santos, lugar habitual das reuniões (…) e o Escrivão da Conservatória escrevia os nomes dessas 24 pessoas cada um em seu papel (todos iguais), os quais eram depois dobrados pelo Conservador, atados com uma linha e metidos numa caixa de prata, onde eram agitados. A caixa era colocada no meio da casa, chamando então o Conservador um menino de pouca idade que retirava quatro dos papéis, elegendo assim os quatro procuradores dos mesteres».



In: Para a História da Administração Pública na Lisboa Seiscentista, p. 104

Passeando pela Rua de São José…





Para quando um passeio confortável e seguro pela Rua de São José até ao Largo de São Domingos?

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011